O brasileiro está consumindo cada vez mais vídeos na internet. De acordo com a revista Exame, o consumo de vídeo online cresceu mais de 90% de 2014 a 2017 e se aproximou do consumo de televisão no Brasil. Hoje, o crescimento do consumo de vídeo online já chega a 135%, contra 13% da TV aberta, conforme informações da ThinkWithGoogle.

Mais da metade dos brasileiros já passam mais tempo assistindo a vídeos online que assistindo à televisão. Cerca 56% dos brasileiros com acesso à internet e TV preferem a o consumo de vídeo através da web. E essa é uma tendência que não tem cara de ser passageira. Em média, esses brasileiros passam 11,9 horas por semana vendo TV e 13,4 horas por semana vendo vídeos online.

Pelo andar da carruagem, a dúvida que fica é: será que a internet engolirá as demais mídias e o streaming será o principal canal de informação e entretenimento? Para se ter uma ideia, a pesquisa Video Viewers mostrou que o Youtube é o campeão quando se trata de consumo de vídeos, além de ser o 2º maior destino dos brasileiros quando buscam esse tipo de formato, ficando apenas 3 pontos percentuais atrás da TV Globo.

Mas por quê? A pesquisa ainda reforça que os valores do YouTube de defender a diversidade, a liberdade de expressão e a autenticidade estão extremamente alinhados com o que o brasileiro procura ao consumir vídeos. As pessoas querem se divertir, querem aprender e querem se reconhecer, e nisso o YouTube é cada vez mais considerado o canal da preferência do público.

Sem contar, é claro, que por conta dessa diversidade e liberdade de expressão, há uma variedade infinita de vídeos disponível, as pessoas conseguem encontrar e se aprofundar em assuntos que realmente amam. A plataforma também oferece uma grande quantidade de material para estudo e também transmite às pessoas o que está em evidência, e as novidades em todo o mundo.

Sabendo desta realidade, muitos canais, tantos os abertos, quanto os pagos, já estão criando suas próprias transmissões de conteúdo online on demand, e essa é uma clara tentativa de adaptar-se ao comportamento do consumidor.

Consumo  de vídeo, foto ou texto?

Apesar de imagens e textos ainda serem muito apreciados pelos internautas, devido à tendência, como já era de se esperar, o vídeo é o formato de conteúdo preferido de 34% dos internautas. Em 2017, esse número mal passava os 20%. É um crescimento absurdo em um período tão curto de tempo.

Essa crescente fez as redes sociais mudarem seus algoritmos. O Facebook hoje prioriza apresentar no feed conteúdos em vídeos, do que imagens ou textos. O Instagram criou recentemente o IGTV e o Youtube facilitou a criação e divulgação de conteúdo em sua plataforma. Sem contar o WhatsApp, que também é um das principais fontes de conteúdo por vídeo do país.

O que isso representa para as empresas?

Sem dúvida, isso significa que as empresas que buscam captar a atenção de seus consumidores vão precisar se adaptar ao comportamento dos mesmos. Se é vídeo que eles buscam, então vídeos precisam ser produzidos. Essa é uma grande oportunidade para começar uma estratégia de inbound marketing, por exemplo. Vídeos são grandes ferramentas para levar o seu público até o seu site ou blog, consumir o seu conteúdo e começar a fazer parte do seu funil de vendas.

Não existe outro maneira. Para crescer será necessário ingressar neste meio. É preciso criar ou inserir isso nas suas estratégias de marketing. Pessoas envolvidas com o conteúdo são uma excelente oportunidade para as empresas atraírem a atenção para seus produtos e serviços que venham a complementar aquilo que os clientes precisam.

 

Walter Ziebarth

. Walter Ziebarth